segunda-feira, agosto 10, 2009

Encontro de Poesia e Cantoria

No sábado passado, participei de um evento muito bacana na sede da ABLC - Academia Brasileira de Literatura de Cordel. O projeto se chama Encontro com poetas populares e rodas de cantoria.

A apresentação deste fim de semana reuniu os poetas João Batista Melo e Fábio Sombra, com mediação do presidente da ABLC, poeta Gonçalo Ferreira da Silva.

Diante de uma atenta platéia, conversamos sobre cordel, poesia e a presença das trovas populares no cancioneiro tradicional brasileiro. Acompanhado da minha viola de cocho - um instrumento tradicional da região do Pantanal - cantamos modas, catiras e alguns outros temas folclóricos.

Foto gentilmente cedida pelo fotógrafo Francisco Valdean.

5 comentários:

G. Alvaro disse...

Olá, Fábio, tá tudo bom?

Meu nome é Gustavo Alvaro, sou violeiro carioca. Faz tempo que eu tava procurando alguém dos bons pra fazer contato, que aqui no rio eu acho difícil encontrar gente com a mesma paixão pela violinha!

Parabéns pelo blog, me torno leitor assíduo.

Espero que o senhor leia este comentário com o carinho que tive ao escrevê-lo.

Deixo meu e-mail para contato, ficaria muito feliz se tiver uma oportunidade de conhecê-lo, e aprender mais sobre o universo da viola caipira.

Humildemente,

Gustavo Alvaro
www.retropleco.blogspot.com

Val Du disse...

Oi, Fábio.
Gostei do blog.
Voltarei aqui.

Até mais.

Claudia disse...

Olá Fábio!

Estou com dificuldade de encontrar seu livro "MAGRILIM E JEZEBEL EM O REI DO ABECÊ" aqui no Rio de Janeiro. Você poderia indicar onde posso encontrá-lo?
Grata,Claudia
(e-mail: claudiacarioca@hotmail.com)

Claudia disse...

Oi, Fábio, td bem?
Meu nome é Claudia, sou sobrinha de Gonçalo Ferreira da Silva. Fico super feliz e orgulhosa com a trajetória do meu tio. Obrigada pela oportunidade de vermos a luz dele brilhar.

Gilmar Leite disse...

Poeta, não sei se você conhece a tese de doutorado da Francesa Julie Cavignac sobre a "História da Literatura de Crodel no Nordeste do Brasil". É uma senhora pesquisa. O livro é de referência pelo motivo de abardar tanto a literatura de cordel, como a antropologia nordestina como reflexo do homem poeta sertanejo.
A pesquisadora ficou tão encantada com o sertão que veio morar no Brasil, e hoje, faz parte do departamento de Antropologia da UFRN.
Abraços
Gilmar Leite
Veja www.aguasdopajeu.blogspot.com/